NYC scenes: Why don’t you move to L.A.?

Why don’t you move to L.A.?



         “So, why don’t you move to L.A.?”, Shelley asked me, lighting a cigarette in front of Latitude where we went for a few drinks after work, “I mean, fucking California it’s sunny most of the time, the men are half-naked, showing their goodies everywhere… NYC is done! This city is filthy! Filthy! Take a look around!”
      I did. 8th Avenue, Hell’s Kitchen area, was not the most appealing view in Manhattan. Damn! It was past 1 a.m., almost December, and as cold as my father’s corpse and full of drunk people… How can it be a nice view?
     “When I came to New York, like, ten thousand years ago, actually eleven, this city was not like that. It’s a mess. It’s a fucking mess if you know what I mean. See the subway! Fucking MTA! The trains are always late! Always late!”
      I would say the subway system was one of the reasons I stayed here. You can go anywhere without a car. And lets face it having a car in New York is not an easy, or cheap, task! And no kidding although it works quite well, nothing in the world is 100% trustable.
      “You’re a fucking writer! A helluva writer! You can write anywhere! Anywhere! You don’t need to stay here! I don’t know why you don’t move to L.A.!”
      It was freezing outside the bar and I don’t even smoke, but for a reason I was there listening to Shelley bitching about the city I love. Why don’t I move? Why don’t I move at all? Gee, I wouldn’t know! I’m not a sun person if you ask me. I’m more of a snow person. I don’t need to see people half-naked. I have enough porn on my cell phone! I like the well-dressing spirit that comes with wintertime.
      “You came from Brazil, like, two years ago?”, Fuck! Why couldn’t she smoke in silence?, “And I don’t believe you still think this is exciting. I mean, New York is overrated! You pay thirteen hundred to live in a walk-in closet! And you have to share it with a weird Asian girl names Fon Lin you met on Craig’s list! How can a person be happy?!!!!”
      I know rent is a nightmare in Manhattan. But just for people who are stupid enough to dare to live on the island with no rich parents to cover their backs! I live in Astoria. I have four roomies, that’s true, but I don’t need to share my room with anyone. My own room, my own bed, more space than I need, and, best of all, very affordable.
     “And those people? And those people?!”, She said while a group of Mid-Easterns were coming up the avenue in a loud chat, “Everyone here seems to speak a billion languages but English! The woman in the bodega can’t even understand when I ask for a coffee! I mean, what is so difficult about the word ‘coffee’? I asked for a coffee just the other day, she smiled, as clueless as my ass, and gave me some cough drops!”
     Well, I think that what makes NYC so enchanting. The “spice” “this people” bring! Overall, Americans here are too bland and cold. It is good to have some heat coming around every now and then.
       “Oh, I just don’t get it. I know, I know, you’re going to say we have ten thousand museums, a million Broadway shows… As if you had time to go to this shit often!”
      “So, Shelley, you tell me. Why don’t you move to L.A.? You gave me several reasons for leaving, but you’re staying, even though your company can transfer you to the west coast if you ask for it. So, why don’t you move to L.A.?”
      “Are you fucking nuts?”, She flicked the cigarette butt on the sidewalk, “I’m all messed up, I could never live anywhere else! And, after all, I love New York. It’s the only real place in the world!”

       There you go, case closed. That was the only time we agreed all night. As we went back to the heater in the bar she started talking about how lame Revenge is turning in this fourth season. She was never going to be silent anyways.




New York, 13/12/2014

As melhores séries a estrear em 2014

Demorou um pouco, mas cá estou eu com o que mais gostei de assistir nessa temporada de séries aqui nos EUA. Infelizmente, o tempo é curto e não consigo assistir mais coisas... Afinal, não dá pra viver na frente da televisão... ;-) Assisti muita coisa que não gostei, mas não vou falar sobre isso aqui. Vamos ao que interessa!


___ American Horror Story: Freak Show___


Freak Show não poderia ser mais perturbador: A história de um circo de aberrações, pessoas deformadas que se apresentam para ganhar a vida com dignidade, que chega a uma pequena cidade ao mesmo tempo em que estranhos assassinatos estão acontecendo vai mexer com o espectador. Os crimes são cometidos por um estranho palhaço, mas parece que toda a atenção dos moradores se volta para a trupe que tem uma mulher barbada, um rapaz com mãos de lagosta, uma jovem nascida siamesa, entre outros párias da sociedade. As cenas de Freak Show, em principal o episódio duplo de Halloween, são desconcertantes... Assista por sua conta e risco.

___ Constantine ___


Outro herói da DC a ganhar uma série, Constantine é um investigador sobrenatural que tem como missão pessoal enfrentar os demônios que atormentam nosso mudo. Sim, é muito similar ao já conhecido e amado Supernatural, mas é um tanto quanto mais assustador e menos camp que a série dos irmãos Winchester.

___ Cristela ___


Cristela é um desses sitcoms de meia hora que faz rir sem forçar a barra. A comediante mexicana Cristela Alonzo criou essa série baseada em sua vida, seus problemas com sua mãe, morando de favor na casa do cunhado e um novo trabalho como estagiária de direito... Não tem como não gostar :-)

___ Flash ___


Um Spin-off planejado para o seriado Arrow, Flash acompanha a vida do jovem Barry Allen, um rapaz com um infância traumática que ganha supervelocidade após ser atingindo por um raio gerado por um acidente nos laboratórios Star. Agora, o novo herói tem que aprender a controlar suas habilidades enquanto continua a viver sua vida.

Quando eu soube que o mesmo acidente que lhe deu poderes daria poderes a outras pessoas também, eu achei que seria meio que um Smallville e tal... Mas ainda bem que não é. O elenco foi muito bem escalado e a séries garante bons momentos para os fãs... Ainda mais por estar inteiramente interligado com Arrow, o que permite que os personagens frequentem o universo um do outro. Não tem como não gostar.

___ Forever ___


Imagine você ter sido amaldiçoado com a vida e toda vez que você morrer, você simplesmente volta. Volta para a mesma vida, para o mesmo cotidiano... Apenas volta. Esse é o problema do Dr. Henry Morgan, um respeitado médico, atualmente trabalhando no necrotério central, que a todo custo tenta encontrar um maneira de morrer. Seu intelecto avançado, e sua vasta experiência de mais de 100 anos de vida, porém, lhe colocam no caminho da detetive Jo Martinez, a quem acaba ajudando no desvendar de vários homicídios complicados. 

Esse eu vi na estreia e não largo. Não tem nada demais, mas é gostoso de assistir, seja pelo roteiro inteligente, seja pelo humor...

___ Gotham ___


Gostei tanto dessa série que ela ganhou um post só dela. Veja aqui ;-)

___ Gracepoint ___


Um seriado em 10 episódios contando a história de um assassinato em uma cidade costeira, onde todos os moradores são suspeitos e cabe a um casal de investigadores descobrir quem. O divertido dessa série e eliminar suspeitos a cada episódio e criar novas evidências que levem até a revelação final do assassino.

____ How to get away with Murder ___


Vamos combinar, Shonda Rymes deve ser incrível até escrevendo bilhetinho pra professor do filho. A criadora de Grey's Anatomy e Scandal, seriados que prendem a atenção e são famosos por não ter momentos chatos, consegue aqui o mesmo nível. O show liderado pela atriz Viola Davis, como a professora de direito que leva um grupo de alunos a ajudá-la em seus casos enquanto ela mesmo luta com seus dramas pessoais é perfeita e sem defeitos. A trama do início das aulas é contada em flashback já que, no presente, esse mesmo grupo de cinco alunos selecionados por ela está envolvido em um brutal assassinato. Te deixa sem ar em cada episódio.

___ The mysteries of Laura ___


Debra Messing, do famoso Will & Grace, é uma policial que tenta ser bem sucedida em sua carreira enquanto enfrenta um divórcio, com seu capitão na polícia, e ainda tem uma dupla de pestes em casa que leva todos os professores a loucura. Laura, porém, consegue equilibrar a bagunça que é sua vida e, com muito bom humor, tenta desvendar os misteriosos crimes que são colocados em suas mãos.

É bem divertido e não tem aquele clima sério da maioria dos seriados policiais. Vale a pena assistir!

___ Selfie ___


Muita gente que está lendo isso aqui agora vai se identificar com a jovem Eliza, viciada em internet e redes sociais que não consegue largar seu telefone. Como toda viciada, ela é uma personagem na Internet, mas na vida real é bem vazia. Tanto que ela decide pedir ajuda a um colega de trabalho para ser uma pessoa melhor. Usando a premissa de My Fair Lady, onde um professor tentar transformar um vendedora de rua numa dama, a trama de Selfie não poderia jamais ser mais atual. Assistam!!!


1 ano depois... Balanço geral


O quanto a vida de alguém pode mudar em um ano? O quanto você pode se transformar no decorrer de  meros 365 dias? Pra mim, por 30 anos, mudanças aconteciam, mas nada tão significativo quanto me mudar para um outro país. Acho que muitos, assim como eu, já passaram por essa fase de balanço geral.

Lembro do dia estressante que antecedeu minha decisão. Uma discussão boba com uma colega de trabalho, cobranças exacerbadas... No engarrafamento que consumiu três horas da minha vida no caminho de volta pra casa eu só conseguia pensar nas minhas últimas lembranças felizes. E todas estavam conectadas com New York. As lágrimas quando pisei pela primeira vez na Times Square, acordar na primeira manhã do ano, me enrolar em um cobertor e ir comprar o café da manhã na rua 72, conhecer amigos em um bar... Aquilo me fez sorrir e enxergar o que eu precisava: Sair da minha zona de conforto.

Renovação. Eu precisava zerar o jogo e começar algo novo. Ninguém me entendeu. Meu namorado não entendeu, minha mãe não entendeu, meus amigos e parentes não entenderam o porquê de eu largar um bom emprego, o concorrido concurso público no qual eu passara (até então eu não havia revelado isso pra ninguém, senão acabariam comigo), uma vida semi-construída, para embarcar numa jornada. Meu medo em aceitar entrar o emprego no concurso que eu passara era que eu estava fazendo apenas pelo dinheiro, ia me deixar confortável, eu sabia que ia, e eu ia passar minha vida fazendo algo que não gostava. Apenas pelo dinheiro.


Cheguei em New York e tudo começou a desandar no início. O apartamento no Brooklyn para o qual me mudei era um lixo, com um roommate que viva bêbado, numa vizinhança barra pesada... Meu emprego era uma bosta, mal daria pra pagar o aluguel... Eu comprava uma Coca-cola e ia beber no telhado do meu prédio, olhando a vida lá embaixo e pensando na passagem de volta para o Brasil guardada na minha mala... Ainda dava tempo de pegar aquele emprego... Mas eu fiquei, estava apaixonado por New York (Como ainda estou!). Quando fiz novos amigos, consegui um novo emprego e um novo lugar pra morar. Está certo que não era o emprego dos sonhos, mas dava pra pagar o aluguel e ajudar minha mãe no Brasil. E foi a saudade de casa que me fez voltar...

Mas depois de seis meses em New York, o Rio de Janeiro na bagunça do carnaval não me atraía mais. Nem um pouco. Então voltei para minha nova vida, onde um novo relacionamento me levou ao casamento e aos poucos eu comecei a enxergar que minha vida é aqui agora... Com o mestrado se aproximando, a nova casa, os projetos nos quais estou envolvido, não há como negar que New York é minha casa. Tem o problema da saudade, que às vezes vem forte e dói o coração... E isso pesa na balança... Mas tem outros pontos que me fazem querer ficar...

No grande seriado que é a vida, meu personagem se despediu das séries dos meus amigos e parentes (como acontece nos melhores shows de TV) e foi pra New York, onde uma nova vida começou. E cada temporada tem suas surpresas... Algumas deliciosas e outras nem tanto. Mas, Ces't la vie... :-)


GOTHAM, a série que vai fisgar você


Apesar de ter muita coisa boa surgindo na telinha aqui nos EUA, principalmente para os fãs de quadrinhos, como THE FLASH, as voltas de ARROW, AGENTS OF S.H.I.E.L.D. e WALKING DEAD, nada estava me deixando mais ansioso do que GOTHAM.

Desde o início a premissa do seriado me pareceu muito boa: A história nunca contada sobre a ascensão do crime na cidade que um dia seria protegida pelo Batman. Pois é, mas nessa série o Homem Morcego está longe de surgir em Gotham City, apesar do gatilho ter sido disparado: O casal Wayne é assassinado na frente do seu filho, Bruce. O homicídio é o primeiro caso a cair nas mãos de James Gordon, herói de guerra recém chegado à cidade, e seu parceiro de métodos duvidosos Harvey Bullock, um homem com conexões no mundo do crime e que detesta a ideia de ter a seu lado alguém tão ético quanto Gordon.

Enquanto o caso é investigado, vemos a dupla de detetives adentrar o submundo do crime cujo o rei é Carmine Falcone e uma possível rainha chamada Fish Mooney, que agrega os principais elementos de perigo e sensualidade das vilãs de Batman. Interpretada por Jada Pinkett-Smith, Fish já mostra no primeiro episódio que não hesita em matar e jogar sujo para chegar ao poder e pune falta de lealdade com sangue, se tornando uma das melhores vilãs a pisar em Gotham. Vamos ver o quanto demora pra personagem debutar nos quadrinhos.

Falando em vilões de Batman, temos aqui as versões prévias de Charada e Hera Venenosa, em rápidas participações e, com mais espaço em cena, Pinguim e Mulher Gato. Robin Lord Taylor nasceu para o papel e mostra o lado perverso e cínico de Oswald Cobblepot, um tanto quanto psicótico e assustador. Já Camren Bincondova não tem sequer um diálogo em todo episódio, mas ainda assim consegue roubar a cena. Sua jovem Selina Kyle é uma ladra astuta e esperta, que presencia o assassinato dos Wayne e desde então desenvolve uma certa obsessão pelo jovem Bruce.

Sem Batman e Robin para patrulhar a cidade, Gordon e Bullock se tornam uma versão good cop/bad cop da "dupla dinâmica" e a química entre os dois vai garantir bons momentos para a série. E Gordon terá ainda problemas envolvendo sua noiva Bárbara e uma outra detetive, Renée Montoya.

GOTHAM tem uma equipe de roteiristas competente, comprometida com o universo de Batman e disposto a entregar uma boa trama. Só isso já mostra que, caso os demais episódios sigam a qualidade do piloto, teremos uma série de tirar o fôlego pra acompanhar.


Chelsea Hotel: um dos lugares mais assustadores de New York



Quando se procura histórias assustadoras sobre NYC, eventualmente se esbarra no Hotel Chelsea. Comecei a pesquisar sobre ele quando uma amiga me contou, em lágrimas, que estava em frente ao lendário hotel quando viu uma mulher com os pulsos sangrando, pedindo ajuda. Segundo Jennifer, minha amiga, a mulher parecia perdida. Jennifer logo pegou o telefone para ligar para o 911, mas quando foi tentar conversar com a mulher para acalma-la a mesma havia desaparecido. No mesmo instante, o letreiro luminoso onde se lê o nome do lugar piscou. O suficiente para que Jennifer entrasse no primeiro táxi e sair dali o mais rápido que pudesse.

"Vou te contar... Muita coisa bizarra acontece no Chelsea..." - Janis Joplin


O Hotel, localizado na 222 West 23rd Street, foi construido em 1883 e surpreendeu pelo seu tamanho e bom gosto. Feito com tijolos vermelhos, no estilo Vitoriano, ainda que com algo de gótico, os doze andares do Hotel atraíram muitos hóspedes, mas por mal administração o local esteve à beira da falência algumas vezes. Como forma de minimizar os danos e evitar o fechamento do Hotel, o lugar passou a alugar de forma permanente seus quartos. Artistas de várias áreas começaram a então a se mudar para o Chelsea que virou reduto de nomes como Janis Joplin, Alice Cooper, Patti Smith, Dylan Thomas, Uma Thurman, Tennessee Williams, além de dezenas de outros famosos.

"Aquilo é como um vórtice... Um tornado artístico de destruição e morte, de amor e de sonhos que nunca vão se realizar" - Sid Vicious, sobre o Chelsea
 


Antes visto como um refúgio artístico, mortes começaram a acontecer no hotel. Apesar de não terem relação entre si, com o passar do tempo as pessoas começaram a ver o Chelsea com outros olhos. Dylan Thomas, o poeta, morreu nos corredores do hotel vítima de uma pneumonia e foi no quarto 100 que um dos crimes mais notórios aconteceu: Sid Vicious, então baixista dos Sex Pistols, esfaqueou sua namorada Nancy Spungen e a deixou morrer sob a pia do banheiro em 1978. O caso  ganhou as manchetes do mundo inteiro (Tinha uma foto aqui, mas eu achei pesada pra postar...).


Funcionários do local afirmam ouvir gritos de uma mulher não identificada nos corredores. Um homem costuma aparecer no meio da noite em frente ao quarto 206. Funcionários da obra de renovação que atualmente acontece no local sentem com frequência a presença de algo os seguindo ou observando. Se o hotel é mesmo assombrado ou não, a verdade é que muitos de seus moradores se mudaram de lá. O Chelsea está mudando sua política e volta em 2015 a ser um hotel comum, onde qualquer um pode se hospedar, mantendo apenas os moradores mais antigos que, pela lei dos alugueis, só saem se quiserem.

Então, quem pretende vir a Manhattan ano que vem terá o Chelsea com todo seu luxo, glamour e fantasmas, como uma nova opção de hospedagem. Eu, com certeza, irei passar pelo menos uma noite no local... :)


Caverna do Dragão: O final revelado


Caverna do Dragão (Dungeons & Dragons, no original) foi um desenho de muito sucesso entre as décadas de 80 e 90, gerando uma legião de fãs que nunca soube, afinal, como acabava a série. Tudo porque um corte no orçamento inviabilizou a produção de novos episódios e o cancelamento prematuro da série. 

Ouviu-se de tudo desde então. Diziam-se que os personagens estavam mortos, por isso os seis adolescentes nunca conseguiam voltar pra casa. Especulava-se que Uni, o bebê unicórnio que se torna mascote da turma, seria na verdade um demônio em disfarce. Tratavam o Mestre dos Magos, o guia do grupo, como uma espécie de Deus e o Vingador, antagonista da série, como o diabo encarnado. Fora uma dezena de outras lendas urbanas que seguiu o fim da série.

Porém, o que muitos desconheciam é que o episódio final, Réquiem, estava escrito por Michael Reaves. Permanecia, então, apenas não produzido. À época do lançamento do box de DVDs da série nos EUA, um podcast foi feito, "produzindo" o episódio final da série e esclarecendo o que acontecia à Hank, Diana, Presto, Eric, Sheila, Bobby e todos os outros personagens que aprendemos a conhecer.


Então segue aqui a revelação do final de CAVERNA DO DRAGÃO:

Tudo começa com o Mestre dos Magos conversando com o Vingador no Plano dos Sonhos, onde o vilão desafia o Mestre a sair de perto de seus pupilos e deixa-los mostrar sua bravura sem ajuda. Confiante de tudo que foi ensinado a eles, o Mestre aceita o desafio mesmo que isso signifique que, caso percam, os jovens perderão suas armas e serão assassinados pelo Vingador, como lição para aqueles que tentarem desafia-lo. 

Enquanto isso, Hank, Sheila, Diana, Presto, Eric, Bobby e Uni estão enfrentando a criatura de nove cabeças conhecida como Hidra. O mostro está levando a melhor e eles estão prestes a morrer quando o Mestre dos Magos surge. Os jovens imploram por ajuda, mas o Mestre diz apenas que a partir daquele momento eles estão sozinhos. Ainda surpresos com a atitude do Mestre, eles conseguem derrotar a Hidra, mas estão famintos e com sede. Com raiva do Mestre, o grupo começa a se desentender ao que Eric decide desafiar Hank pela liderança do grupo. Cansado e decepcionado, o Arqueiro permite que Eric tome as decisões pelo grupo.


Acampados, Eric começa a entender que todo aquele reino para onde foram levados enquanto andavam numa montanha russa é uma masmorra e que, nesse caso, todos eles são prisioneiros do Mestre dos Magos (No original seu nome é Dungeons Master: Mestre das Masmorras). Quando todos questionam quem irá ajuda-los, então, a voltar pra casa, surge o Vingador. Nem um pouco ameaçador,  o vilão lhes conta que para eles sempre foi mais fácil enxergar o Mestre como uma boa pessoa e ele como o grande vilão, mas na verdade eles precisam enxergar que os conselhos do Mestre nunca os levou de volta pra casa e sempre para o coração das batalhas. O Vingador lhes oferece um serviço em troca de lhes mandar de volta pra casa: eles devem ir até os limites do reino onde existe um túmulo... Nesse túmulo repousa uma chave que deve ser arremessada no abismo. Uma vez que completem essa tarefa, eles serão mandados de volta pra sua casa. O Vingador abre um portal, mostrando o parque de diversões aos meninos, como prova de que realmente tem poder para cumprir sua promessa.

Quando o Vingador desaparece, o grupo se divide: Eric, Presto e Sheila resolvem fazer o que o Vingador lhes pediu, enquanto os outro preferem não fazer nenhum acordo com aquele que lhes aparece como mal incarnado.

Eric, Sheila e Presto chegam à uma praia onde encontram um velho navio. Os três entram no navio e Presto usa sua mágica para fazer com que navio levante vôo e passe a navegar os céus. Sheila questiona se eles estariam fazendo a coisa certa, mas Eric deixa claro que eles ja haviam tentado de tudo que o Mestre lhes indicou, portanto, era hora de dar ao Vingador uma chance. Ao ver, do acampamento, o navio levantar vôo, Hank decide que de alguma forma eles precisam chegar ao túmulo antes dos outros. Eis que surge um dragão de bronze, uma raça dócil, que permite que os jovens o usem para chegar aos limites do reino.


Hank e Diana começam a questionar o por quê dos jovens terem sido levados para aquele reino e que talvez o Vingador esteja certo quanto ao Mestre. Todavia, eles começam a sobrevoar a zona dos vulcões e vê que o navio onde estão os outros foi danificado por uma erupção e os jovens estão se mantendo graças a magia de Presto. Hank tenta convence-los a voltar, mas não consegue. O Arqueiro então decide usar suas flechas para derrubar navio, mas Eric o protege com seu escudo e as flechas causam uma erupção ainda pior que vitima o navio. O dragão consegue escapar da erupção, mas Hank, Diana, Bobby e Uni agora só podem seguir em frente. Não há mais volta. Hank se sente culpado, pois pode ter causado a morte de seus amigos, apesar de Diana ainda ter esperanças. Eles chegam aos limites do Reino, um abismo sem fim, e avistam o uma imensa construção, uma torre macabra: o túmulo.

Sobrevivendo graças ao campo de força do escudo de Eric, os jovens acreditam que os outros tenham morrido e Eric se sente culpado por isso. Eles continuam dispostos a achar a chave.

Do alto da construção, Vingador e o Mestre dos Magos observam a chegada dos jovens. Enquanto Vingador torce para que eles falhem, o Mestre deseja que eles triunfem, mas nenhum dos dois pode interferir. O Vingador diz que a torre irá testar a coragem dos guerreiros.

Às portas da torre, os dois grupos se encontram e ficam felizes, mas voltam a se desentender quando Eric resolve continuar seguindo os planos do Vingador. Eric pede que Presto o ajude e, para surpresa geral, o Mago consegue tirar um laço de energia de seu chapéu, que aprisiona Hank, Diana e Bobby. Quando eles se libertam, Eric, Sheila e Presto ja estão dentro da torre. Hank e Eric se enfrentam de novo, mas dessa vez não dura muito, pois um monstro gigantesco  em forma de ameba surge do chão para ataca-los. O monstro absorve o pode de suas armas para crescer e ficar mais faminto, mas graças a Bobby, que usa seu tacape para destruir uma pilastra, o monstro é enterrado vivo. Mas os destroços também impedem que o grupo saia da torre. Triunfante, Eric diz a Hank que o único jeito de sair dali é subindo.


A escadaria os leva a um santuário, uma imensa e gótica câmara onde está um sarcófago. Vingador e Mestre dos Magos continuam a conversar e o vilão diz que o Mestre não deve celebrar sua vitória, mas o mesmo apenas murmura que a vitória pertence ao Vingador de qualquer maneira. O grupo adentra a câmara e antes de chegarem ao sarcófago, passam por uma parede destruída por onde conseguem ver o abismo sem fim. eles observam e conseguem enxergar estrelas ao fundo e vestígios das colunas que sustentam todo o reino. Assustados, eles se aproximam do sarcófago e vêem que ali existe uma fechadura. Porém, não é o fato do sarcófago ser uma porta que mais os surpreende e sim o fato de que aquele sarcófago tem a figura do Vingador, trajado como um nobre cavaleiro, gravada nele. Sem entender porque alguém esculpiria uma versão bonita do Vingador, eles abrem o sarcófago e encontram ali a chave. Eric agarra a chave e no meio da discussão que surge sobre jogar ou não a chave no abismo, o monstro retorna ainda mais ameaçador e os ataca. Eric consegue chegar ao abismo, mas Hank o impende. Os dois brigam pela posse da chave.

Quando os demais são pegos pela criatura, usando seus tentáculos, Hank diz a Eric que matou a charada final: o Cavaleiro estava certo o tempo todo quando se referiu ao reino como uma masmorra e, assim como eles são prisioneiros ali, o Vingador também seria um prisioneiro. A chave em sua mão poderia ser a chance de liberdade deles. A criatura então acerta Hank, que se desequilibra e despenca no abismo sem fim. Eric se desespera sem saber o que fazer com a chave. O Vingador se materializa diante dele e ordena que ele jogue a chave no abismo. Eric olha para o abismo, pensando em Hank, vê seus amigos aprisionados, prestes a serem mortos, e resolve fazer o que Hank faria. Ele corre até o sarcófago, coloca a chave na fechadura e a gira.

Uma luz intensa sai de dentro do sarcofago, fazendo com que a criatura desapareça e provocando uma reação de medo no Vingador. A luz que sai do sarcófago gera raios de luz por todo o reino, abrindo portais em todos os lugares, fazendo com que várias criaturas aprisionadas voltem para seus mundos. O Vingador está paralisado, engolido pela luz do sarcófago, quando os jovens se reúnem e, para surpresa deles, Hank não caiu no abismo. Ele se prendeu a uma das rochas e conseguiu subir de volta.

O Vingador emerge da luz, com suas vestes nobres e feições suavizadas. Hank se dá conta de que a missão do grupo no reino não era derrotar o Vingador, mas ajuda-lo a se redimir. O Mestre dos Magos então surge e os agradece por fazer o que ele nunca conseguiu: libertar o próprio filho. O Vingador revela que se voltou contra o pai para seguir um outro mestre e foi dominado por uma força maligna destruidora.

Um outro raio saído do sarcófago abre um portal para que os jovens, finalmente, voltem pra casa. O Mestre dos Magos diz que agora eles podem voltar pra casa quando quiserem, mas gostaria que os jovens ficassem para ajuda-lo a reconstruir o reino e lidar com as ameaças que ainda existem ali. Emocionados, os jovens olham para o portal e para o novo reino que se formou após a libertação do Vingador. O episódio termina sem que eles tomem qualquer decisão.

* * * * *
Michael Reaves revelou em entrevista que o final dependeria da decisão dos produtores: Se fosse decidido o cancelamento da série, então os jovens voltariam pra casa. Caso contrário, se uma renovação se desse, então os jovens ficariam no reino e ajudariam o Mestre a enfrentar a criatura maligna por trás da corrupção do Vingador.

Espero que tenham gostado de ler um resumo do tão aguardado final. ;-) Aqui embaixo temos a abertura original da série:











10 razões pra amar New York

1 - As estações do ano bem divididas
Nem precisa de filtro de tão lindo...
Você sabe exatamente quando é Outono, Inverno, Primavera ou Verão. São quatro estações bem distintas e cada uma com seus diferentes encantos.

2 - Metrô 24 horas por dia

Tá certo que depois da meia noite ele vem de 40 em 40 minutos, mas pelo menos se pode contar com o transporte público pra voltar do trabalho ou da balada.

3 - A maioria dos clubes não cobra entrada

Isso é ótimo! Quantas vezes já aconteceu de você entrar numa balada, estar um saco e você ter de ficar só porque pagou entrada? Bom, agora não acontece mais.

4 - Baixos índices de criminalidade

Criminalidade existe aqui, claro que existe. Estamos falando de uma das maiores metropoles do planeta! Mas é algo mais controlado e, tirando brigas entre bêbados, nunca vi nada mais grave.

5 - Broadway, baby!!!

Os espetáculos da Broadway são um atrativo para aqueles que, como eu, adoram essa arte.

6 - Cinema ao ar livre

Na Primavera e no Verão, a maioria do parques oferecem cinemas ao ar livre. Você leva sua toalha, sua cesta de picnic e assiste a filmes que vão de clássicos à lançamentos, sempre de graça.

7 - Shows gratuitos

Os shows gratuitos no Central Park, Bryant Park ou Times Square apresentam artistas como Katy Perry, Coldplay, Maroon 5... Só ter paciência nas filas!

8 - Hello! Esse Skyline de tirar o fôlego! 

9 - A liberdade de ser você mesmo

Aqui ninguém se preocupa com sua vida, com o que você faz ou deixa de fazer. Desde que você não incomode o próximo, viva sua existência como bem preferir!

10 - A diversidade cultural

Aqui você encontra de tudo e tem acesso a tudo. Quando você chega aqui, tem certeza de que está na capital do mundo. Todos se encontram aqui!!!